Dia do Piauí: Serra da Capivara ganha novo atrativo turístico


Parque Nacional da Serra da Capivara - Arquivo/Marcello Casal Jr/Agência Brasil

No Dia do Piauí, a Fundação Museu do Homem Americano espera renovar o convênio com o ICMBio para continuar atuando na conservação e nas pesquisas arqueológicas no Parque Nacional da Serra da Capivara. Nesta terça (19), está prevista a visita ao Parque do Ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, e do presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Fernando Cesar. Será inaugurada hoje uma escadaria de 116 degraus para acesso ao sítio arqueológico Caldeirão dos Rodrigues, localizado no fundo da Pedra Furada. A estrutura pretende facilitar a visitação e permitir que o turista tenha uma visão panorâmica do Parque, declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO.

Em 2021, a arqueóloga Niéde Guidon completa 51 anos de trabalhos de pesquisa e conservação da memória arqueológica no Parque Nacional da Serra da Capivara, que ocupa uma área de 130 mil hectares, no sertão do Piauí, entre os municípios de Brejo do Piauí, Cel. José Dias, João Costa e São Raimundo Nonato. A arqueóloga é hoje presidente emérita da Fundação Museu do Homem Americano, entidade que criou para manter e ampliar as pesquisas e a conservação dos sítios rupestres no Parque Nacional da Serra da Capivara, que administra em parceria com o ICMBio.


Até 2005, quando concedeu esta entrevista à jornalista Adriana Saldanha, diretora do Instituto Mpumalanga, 809 sítios arqueológicos tinham sido catalogados pela equipe de Niéde. Em 2018, o mapeamento já indicava mais de 1.000 sítios com pinturas e gravuras rupestres pré-históricas, uma das maiores concentrações de sítios pré-históricos do mundo por quilômetro quadrado.



O financiamento para manutenção dos trabalhos de conservação dessas riquezas continua sendo um grande problema. A Fundação Museu do Homem Americano perdeu alguns patrocínios e teve de reduzir pessoal responsável pela conservação.

Em 2019 até início de 2020, antes da pandemia, o Parque Nacional da Serra da Capivara recebeu mais de 56 mil visitantes. Niéde Guidon busca sempre abrir novas possibilidades para o turismo e a valorização da área que abriga a mais antiga presença humana na América do Sul. Em 2018, criou o Museu da Natureza, no entorno do Parque, onde os visitantes podem conhecer, de forma interativa e sensorial, as mudanças geológicas e paleontológicas do Planeta.

Apesar de lutar contra problemas nas articulações, sequelas da chikungunya que a impedem de fazer caminhadas no Parque como fazia antes, Niéde não se abateu. A arqueóloga que mudou os rumos dos estudos sobre a pré-história na América do Sul vê, com entusiasmo, obras que incentivam o turismo e as pesquisas no local. A Universidade do Vale do São Francisco implantou o campus de São Raimundo Nonato, na região da Serra da Capivara, para cursos de Arqueologia e Ciências da Natureza.



12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo