Ilustrações e contos infantis, no Chá com Livros

Chá com Livros deste sábado, 27/11, às cinco da tarde, convida para

um mergulho no universo das ilustrações de livros infantis de Marilda Castanha e

para uma viagem pelas histórias africanas nos livros do escritor Rogério Andrade

Barbosa.



Marilda é autora do livro de imagens “Sem Fim”, entre outros infantis premiados. Rogério é autor do recente SONA, contos africanos desenhados na areia, entre outras

publicações premiadas dirigidas a crianças e jovens.

Um bate papo sobre culturas e ancestralidades, reunindo dois dos mais importantes nomes da literatura infantil e juvenil que trazem a linguagem da ilustração e as

narrativas orais. Obras escritas e desenhadas a partir da observação e vivência com as culturas dos povos indígenas brasileiros e de diferentes povos do continente africano.


Marilda Castanha é mineira, de Belo Horizonte. No final dos anos 80, formou-se em

Desenho na Escola de Belas Artes da UFMG. Nessa época começou a se dedicar à

ilustração de livros para crianças. Cia das Letrinhas, Ed. Positivo/ Maralto, FTD,

Peirópolis, Lê/ Abacatte, Scipione e Nova Fronteira estão entre as casas editoriais

brasileiras com as quais trabalha.

Autora e ilustradora, Marilda tem publicações próprias e ilustra livros de diversos

autores, como o moçambicano Mia Couto, em “O Gato e o Escuro”, e o brasileiro

Daniel Munduruku, com “Karu Taru- o pequeno pajé”. Para 2022, trabalha na

ilustração do novo livro do escritor Rogério Andrade Barbosa, que sairá pela Editora

Globo no começo do ano.


Com um olhar sensível para a relação do ser humano com a natureza e com as outras

pessoas e coisas do mundo, Castanha situa seu processo criativo com a ilustração a

partir de indagações, de curiosidades sobre o mundo e o que está nele. Surpreendeu

quando propôs uma narrativa sem palavras, na obra “Sem Fim”, e, em Pindorama, o

traço que conta o indígena, as árvores brasileiras e os riscos que eles correm.

De sua autoria, entre os livros publicados estão: “Ops” (1ª.ed Cosac Naify, 2011, e

Ed Jujuba, 2020- série para bebês), “Pula boi” (Ed. Scipione, 2012), “Fases da lua e

outros segredos” (Editora Peirópolis, 2014), “Sem Fim”, uma narrativa somente

com desenhos (Positivo 2016), “A quatro mãos” (Companhia das Letrinhas 2018),

“Mas, pode?” (Leiturinha 2020), “Pindorama – Terra das Palmeiras”

(Ed.Formato,1999, e Cosac e Naify,2007), “Mil e uma estrelas” (SM,2015) e “Em

Asas de Algodão (SM, 2016). Como formação acadêmica, em 1998 Marilda

participou do Seminário de Ilustração em Bratislava, capital da República Eslovaca,

e, em 2014, na Scuola Internazionale d’ Illustrazione Stepan Zavrel, em Sarmede,

realizou cursos com a ilustradora austríaca Linda Wolfsgruber e com o ilustrador

mexicano Gabriel Pacheco. Entre as premiações destacam-se dois Prêmios Jabuti,

categoria Ilustração, (em 2000 e 2011, respectivamente “Pindorama, terra das

Palmeiras” e “Mil e uma estrelas”). Em 2017, na Coreia do Sul, foi premiada na

categoria Purple Island, do Nami Concours, com o livro de imagens “Sem Fim”.



Rogério Andrade Barbosa é escritor e trabalha com literatura Afro-Brasileira e

programas de incentivo à leitura, com palestras e oficinas. É contador de histórias, graduado em Letras na UFF (RJ), professor de Literatura Africana com pós-

graduação pela UCAM/RJ e pós-graduação em Literatura Infantil Brasileira pela

UFRJ.


Neste ano da pandemia, acaba de lançar mais dois livros: “O Espanta-Moscas”

(Ed.Paulinas), conto sobre o enigma do povo Ashanti de Gana, e “Nas garras dos

babuínos” (Ed.Biruta-Gaivota), um reconto da tradição oral do povo Zulu, e prepara

um terceiro livro pela Editora Globo, com ilustrações de Marilda Castanha, que será

lançado no início do próximo ano. Terá, ainda, novos lançamentos em 2022 pela

Moderna, Brasil e Melhoramentos.


O escritor é natural de Minas Gerais e vive no Rio de Janeiro. Iniciou pesquisas e

coleta de contos africanos quando trabalhou como professor voluntário das Nações

Unidas na Guiné-Bissau, país da costa atlântica ocidental da África, antiga colônia

portuguesa, declarada independente em 1973, onde cerca de 15% da população

adota a língua portuguesa e a maioria fala uma língua crioula baseada no português

e outros dialetos. Durante dois anos, Rogério Andrade conviveu com comunidades e

contadores de histórias de alguns povos, cuja ancestralidade é passada de geração em

geração pelas narrativas orais. Depois disso, viajou por diversos países da África com

a preocupação de registrar contos e outras narrativas orais e trazê-las para as crianças

brasileiras em seus diversos livros, também adotados em escolas.


Com 30 anos de literatura e mais de 100 livros publicados, Rogério tem títulos

traduzidos para o inglês, o espanhol e o alemão. Participou de eventos literários e

Feiras do Livro na Alemanha, Cuba, Itália, México, Peru, República Dominicana,

Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Etiópia e Portugal, Gana e

Suécia, como escritor e contador de histórias. Entre os prêmios e distinções recebidos

por Rogério Andrade destacam-se: Prêmio da Academia Brasileira de Letras de

Literatura Infanto-Juvenil, Rio de Janeiro, 2005; Altamente Recomendável para

Crianças e Jovens - FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil); The

White Ravens, Alemanha 1988 e 2001 (Selecionado para o acervo da Biblioteca

Internacional de Literatura Infantil e Juvenil de Munique) e Lista de Honra do IBBY,

Suíça, 2002.



O programa Chá com Livros, do Instituto Mpumalanga-Casa Brasileira promove

diálogos online sobre livros e literatura. Foi lançado em maio de 2020 pelos canais de

facebook e youtube do Mpumalanga e traz entrevistas com escritores, contadores de

histórias, pesquisadores das letras e mestres de cultura para reflexões e múltiplos

olhares sobre cultura, arte, memória e os desafios contemporâneos, a partir da

literatura. A nova temporada de Chá com Livros tem apresentação de Daniele

Ramalho, produtora cultural e atriz, dedicada à narração de histórias.


Formada em Artes Cênicas, Daniele é Mestre em Bens Culturais e Projetos Sociais e

adora narrar histórias pelo mundo, em locais como Maison du Conte, em  Paris, 

Maison de la Parole, em Burkina Faso, ou em Cotonou, no Benim, onde recebeu o

Prêmio da Palavra.  É curadora  dos projetos África Diversa e Narrativas Fluminenses

e foi uma das curadoras da Bienal Internacional do Livro de São Paulo, em 2018.



27 visualizações0 comentário