A vida na Terra e a Terra viva!

Toda criança em algum momento de brincadeira já sonhou em ser astronauta. Ver o mundo de uma nave espacial, enxergar o planeta Terra azul e branco, como nos desenhos animados. Com os olhos lá de cima, a curiosidade desperta dentro de uma mente em fase de descobrimento do mundo: onde estamos, mãe?

O que parece inocente pode gerar questionamentos profundos sobre a relação do homem com o Planeta nos dias atuais. No universo não há dicotomia entre Terra e Humanidade.  Povos, nações e raças têm em comum o espaço em que vivemos.

Para explicar a indagação da criança sobre a nossa presença no mundo, a mãe recorre a Carta da Terra, documento criado no século XXI como instrumento educacional e referência ética para o desenvolvimento sustentável, e comenta:

O Planeta que moramos é nosso lar comum e a Terra, uma grande Mãe, geradora de vida, energia e alento.


Os porquês das crianças as vezes intimidam alguns adultos e outras vezes podem mudar paradigmas familiares. A cantora e compositora Fernanda Takai conta que a chegada da sua filha alterou não só a rotina da sua casa, mas também o seu comportamento com o mundo.


A data de hoje, 22 de abril, é celebrado o Dia Internacional da Mãe Terra, que marca a responsabilidade coletiva para promover a harmonia com a natureza e as questões entre economia, sociedade e ambiente. Pensar em Terra como uma representação materna do mundo também é uma grande estratégia de sensibilização e aproximação do ser humano para as questões ambientais.

“Há muito tempo eu vinha pensando em qual seria o maior problema ambiental, e há alguns anos percebi que o problema da água é o mais grave. Não só por causa da crise hídrica que a gente vive no Brasil, ou pelo desastre ambiental que aconteceu em Minas, com o Rio Doce. Mas, porque, em vários lugares do mundo pessoas sofrem com a falta desse recurso. E a gente não se deu conta disso, ficamos pensando no micro, que era um problema dos outros, mas é um problema nosso também. Infelizmente, a gente só aprende quando acontece algum acidente muito grave”, conta Takai. #gallery-3 { margin: auto; } #gallery-3 .gallery-item { float: left; margin-top: 10px; text-align: center; width: 33%; } #gallery-3 img { border: 2px solid #cfcfcf; } #gallery-3 .gallery-caption { margin-left: 0; } /* see gallery_shortcode() in wp-includes/media.php */

A visão do Planeta como mãe vai além de Gaia, Pacha Mama ou Inana, representações místicas e religiosas do planeta Terra, é também uma comprovação científica da qual a Terra é um superorganismo vivo que constantemente articula todos os elementos necessários e mantêm o equilíbrio favorável para a existência de vida.

A imagem do globo terrestre desperta um sentimento de contemplação, afetividade e inspiração. A relação harmônica entre o homem e a natureza é fundamental em vários processos desde o bem estar até o criativo. Somos uma parte da Terra. Os sons da natureza estimularam os homens a cantar e a criar instrumentos, os mistérios da ciência, da biologia e da evolução desenvolveram tecnologia e pesquisa e a contemplação pela vida e pelo belo transbordou o coração de sentimentos.

“A arte é resultado da sua experiência humana, do que você viu e sentiu. Então estar em um lugar que te traz boas sensações talvez não se traduza como vou fazer uma música sobre isso, mas toda minha consciência como cidadã ou como habitante do Brasil, como mãe ou como gente que fala para um público muito variado, com certeza, isso fica em mim. Fica gravado na minha memória como na minha mente criativa. Eu posso recorrer a essas sensações, fica guardado com a gente”, finaliza Takai. A cantora mostra uma percepção delicada sobre sua relação com o meio em que vive.

#diadaterra #fernadatakai #planetaterra #riosãofrancisco

0 visualização
  • YouTube
  • Facebook
  • Instagram
© 2020 Instituto Mpumalanga. Todos os direitos reservados.